blooks

encontrei hoje esses vídeos da Blooks – uma exposição que fiz com a Heloisa Buarque de Hollanda e a Bruna Beber no Oi Futuro. A Soninha Barreto cuidou da parte gráfica e Gustavo Rosa fez a cenografia. Deu uma bela canseira – pensar os espaços, inventar um conceito visual, um conceito curatorial (quando eu entrei era uma espécie de concurso de prosa e poesia na internet e se chamava Tribos e Letras na Rede – já tinha também graffiti) mas tenho o maior orgulho, acho q ficou bem bacana. Conversando com a Helô, que veio essa ideia de que o excesso faz parte da internet – assim como a curadoria pessoal – filtrar muito iria contra essa primeira abordagem expositiva da literatura na internet.

Adoro isso de ser escuro, com luzes estourando, estilo a luz neon refletindo em quem tá na calçada (tipo Guanabara, BB Lanches, Diagonal…hehe ; ). Uma ideia que pensamos bem no inicio do projeto (eu e soninha) era justamente o contrário, a exposição ser toda branca sem nada aparente, qdo a pessoa entrasse, um sensor de movimento, apagava as luzes, ligava os projetores, seria tdo projetado e a interação feita com sensores, nada físico aparente. Mas claro, ideia furada, provavelmente teria sempre alguém na sala, provavelmente muita gente não entraria numa sala vazia, e depois esses sensores sempre desligam de forma inoportuna, ah, e também era bem mais cara… mas na cabeça a ideia funcionava bem ; )

A ideia da projeção enorme na entrada com a minha boca é do Gustavo. Veio de outro conceito que era não ter nada impresso, ser tudo projeção, mas os custos…bem. Ficou a boca dando as boas vindas. Depois a exposição foi pra São Paulo, mas eu não participei desse desdobramento.

http://vimeo.com/7150019

http://www.overmundo.com.br/overblog/blooks-tribos-letras-na-rede

http://www.mojobooks.com.br/imprensa_tx.php?idi=26